Saque do FGTS e novidades no programa MCMV

Saiba como ocorrerá o procedimento de resgate do benefício e se você tem direito.

Por Redação

Na última terça-feira, 15 de fevereiro, foi divulgado pelo governo federal o calendário de saques de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). É possível aproveitar o benefício contas que ficaram inativas até dezembro de 2015, ou seja, com demissão até esta data. A grande notícia é que não haverá limite para o saque, podendo ser retirada a quantia total que está nas contas, permitindo por exemplo um investimento em curto prazo. Por outro lado, o saque deverá ser realizado com o valor total disponível na conta.

A agenda de saques segue entre 10 de março e 31 julho de 2017, sendo as datas de acordo com o nascimento do trabalhador.

– Saque em 10 de março: para quem nasceu em janeiro e fevereiro;
– 10 de abril: para nascidos em março, abril e maio;
– 12 de maio: correntistas que nasceram em junho, julho e agosto;
– 16 de junho: nascidos em setembro, outubro e novembro;
– 14 de julho: quem nasceu em dezembro.

Contas com saldo de até R$ 3 mil poderão ter saque realizado em lotéricas e correspondentes Caixa, além das agências. Clientes com conta corrente na Caixa podem optar por receber o crédito direto em sua conta. 

Outros detalhes podem ser consultados através do site oficial disponbilizado pela Caixa, ou pelo telefone exclusivo 0800 726 2017.

A Caixa ainda anunciou que, a partir de hoje (quarta-feira), abrirá todas as agências, até o dia 17 de fevereiro, com duas horas de antecedência para esclarecimento de dúvidas.
 

Perspectiva otimista para investimento em imóveis


O governo federal anunciou no início do mês novos ajustes nas regras do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). Dentre as grandes mudanças, está a terceira faixa do programa, ampliada para famílias com renda mensal até R$ 9 mil. O objetivo do reajuste é estimular a Construção Civil no país.

Para os empresários, a notícia é bastante motivadora e alimenta a esperança de o governo editar uma Medida Provisória para restringir a ocorrência de distratos (desistência da compra de imóvel). Dessa forma, as empresas podem garantir maior segurança no fechamento de contratos e na gestão dos custos de construção. Isso tudo, é claro, sem interferir no bolso do comprador, assegurando a continuidade do empreendimento com o valor dos repasses. 

O programa Minha Casa Minha Vida passa a atingir um maior número de famílias, motivando o investimento em imóveis, estabilizando os valores de mercado e garantindo maior retorno de lucratividade para investidores.

Fontes:

http://gazetaweb.globo.com/portal/noticia.php?c=26970

http://epocanegocios.globo.com/colunas/Financas-de-Bolso/noticia/2017/02/saque-de-contas-inativas-do-fgts-comeca-no-dia-10-de-marco-veja-o-calendario.html